Cibercultura

“Caso a polícia decida nos atacar novamente, não há mais servidores para capturar” The Pirate Cloud

O The Pirate Bay fez uma mudança importante em sua infra-estrutura. O mais famoso site de torrents do mundo mudou toda a sua operação para a nuvem. A partir de agora o The Pirate Bay irá oferecer os torrents em nuvens de vários provedores de hospedagem espalhados pelo mundo. A mudança vai reduzir os custos, garantir um melhor tempo de atividade, e fazer o site praticamente invulnerável a polícia – tudo ao mesmo tempo e mantendo seguros os dados dos usuários – tradução livre do Torrent Freak

Caso a polícia decida nos atacar novamente, não há mais servidores para capturar, só roteadores. Se eles seguirem a trilha dos roteadores de país a país, tudo que encontrarão é um servidor sem disco rígido lá. Caso encontrem o servidor na nuvem e a empresa responsável, a única coisa que conseguiram são imagens de discos altamente criptografadas e, virtualmente, inúteis do ponto de vista legal

Padrão
Arte, Cibercultura

Pergunta aos críticos dos museus virtuais: Como veríamos as nádegas carnudas de Brueghel?

O site obvius fez um post bem instigador assinado pela colaboradora Tajana. A publicação problematiza de forma leve como a opção virtual, a digitalização de um quadro no Google Art Project, por exemplo, abre-nos uma visão nova e mais ampla da obra, talvez não “melhor”, mas complementar e única.

Leia abaixo e diga o que você acha.

“As nádegas de Brueghel” Por Tajana.

Não sei se Deus está no detalhe – mas as nádegas rosadas de Brueghel, sim. Refiro-me às nádegas pintadas por ele. Este é um desses casos felizes em que a tecnologia amplia certos caprichos do olhar.

Leia mais AQUI

Padrão
Capitalismo, Cibercultura

Cosmópolis de Cronenberg: Um espectro ronda o jovem psicótico capitalismo

Nessa semana vi “Cosmopolis”, último filme do cineasta canadense David Cronenberg, o mesmo de Videodrome, Crash, Um método perigoso e Senhores do Crime. Ambientado em um futuro não muito distante, um jovem bilionário cruza Nova York em sua limosine para cortar o cabelo em um tradicional e “superado” barbeiro.


Em Cosmópolis o espectador vai encontrar o drama psicológico do Capitalismo, o sistema mercado que constantemente recebe sentimentos humanos, como estar nervoso, calmo, impaciente, com Cronenberg será personalizado e viverá seus medos mais inconscientes. Com face jovem, acelerada e acumuladora de *números, bens, sonhos e sexo, Eric Packer (Robert Pattinson) se vê a cada hora que passa mais incapaz de lidar com os efeitos sociais e psicológicos de sua personalidade e comportamento no mundo.

* Dinheiro, informação, pessoas, etc.

 

Eric é um jovem e prodígio bilionário, operador do mercado, dono de várias startup e cercado por hackers. A combinação de sua condição de jovem, rico e poderoso o faz sentir-se intocável, será que não? Mas o mundo está “instável”, Nova York pelo menos, Eric e seus jovens assessores divergem dos padrões de mercado e estão sendo aniquilados pelo yuan chinês, as ruas estão tomadas por revoltas com ativistas (não movimentos) midiáticos, um dos motivos é a visita do presidente americano afirma o segurança de Eric: – “Que presidente?” diz Eric desprezando a política.

Qual o papel de Cosmópolis afinal? Prever o futuro ou nos mostrar a face psicótica do capitalismo (que fazemos parte) e seus operadores?

Veja e me diga você!

Padrão
Cibercultura

Será um caso de preconceito contra um ciborgue?

Ironias a parte, Steve Mann (foto) foi agredido no mês passado em um filial do McDonalds em Paris, o motivo era estar usando um EyeTap, óculos de visão computacional, receitado pelo médico. Steve conta a história em seu blog, será que o gerende do Mac confundiu o óculos com um Google Glass e acho que poderia estar sendo monitorado?

Agressores

Padrão
Cibercultura, Torrent

Mais um preso por compartilhar cultura #cibercultura #torrent

O fundador do Kino.to, site de torrent semelhante ao MegaUpload, foi acusado e preso por pirataria na Alemanha. Com o objetivo de diminuir sua pena, nesta quarta-feira (06/06), Dirk Bogarde confessou estar ciente da violação e direitos autorais e, agora, aguarda a sentença que será publicada na próxima quinta-feira (14/06).  (Fonte: Olhar Digital)

(Tradução do banner atual no Kino.to) A investigação criminal indica o seguinte: O domínio foi escolhido por você para o site é fechado por suspeita de formação de uma associação criminosa para a violação de direitos autorais profissional commit. Vários operadores de KINO.TO foram presos. Usuários de Internet que ilegalmente cópias piratas de filmes produzidos ou distribuídos, deve contar com um processo criminal.

Segundo informações da agência EFE, durante a audiência no Tribunal de Leipzig, o advogado que representava Bogarde lamentou as infrações e disse que seu cliente havia “sucumbido à tentação” após descobrir a oportunidade de fazer dinheiro em sites daquele tipo. Depois, disse que o dono do Kino.to havia compreendido que “a liberdade na internet tem limites”. Continuar lendo

Padrão
App, Cibercultura, Ciberespaço, Internet, Redes Sociais Digitais

O caso General Motors, o exemplo Greader, Pocket e Persona ou como vamos derrubar a publicidade e o Facebook.

Foi sintomático o fato da General Motors retirar seus 10 milhões de publicidade aplicados no Facebook, justo durante o fiasco do IPO da rede de Mark Zuckerberg, a alegação foi que o retorno não está sendo satisfatório, os usuários segundo ela interagem pouco com a publicidade (links) ofertada. O problema amplia com o fato das mídias sociais serem muito acessadas por smartphone, com interfaces mais limpas, onde a publicidade ainda não aparece, diferente da interface da tela de computador e notebook.

O que me interessa eu leio no pocket, via computador, tablet e smartphone, numa interface limpa e sem publicidade.

Por outro lado estamos começando a vivenciar uma nova geração de agregadores, ainda em desenvolvimento, APPs que aglutinam conteúdos em uma interface limpa e objetiva. A febre começou com os leitores de feeds de sites e blogs e amplia-se para contas em redes sociais. Se usando o GReader ou o Pocket, por exemplo, leio e agrego matéria de dezenas de sites e blogs em uma interface única, objetiva, que apresenta apenas fotos e texto, quando uso o Persona, faço o mesmo com minha conta do Twitter e Facebook, ficando um pouco mais imune a publicidade no Facebook. Continuar lendo

Padrão
Cibercultura

+ 1 passo contra o absurdo, cópia de CD e Xerox para uso pessoal deixarão de ser crime

Poucas coisas são tão absurdas quanto definir como criminoso aquele que ripa e copia um CD ou DVD de sua propriedade. O Brasil hoje deu mais um passo, ainda que tímido, em favor do debate de cópias de produtos imateriais.

Imagem criminosa da década de 80, Cintia Barenho é o nome da meliante

Matéria do Olhar Digital

A partir de hoje, cópias para uso exclusivamente pessoal de CDs de música ou de livros didáticos deixarão de ser crime. A reivindicação é uma das mais antigas entre os que acham necessária uma renovação da lei de direitos autorais brasileira e foi aprovada nesta quinta-feira, 24, por um grupo de juristas que discute em Brasília revisões no Código Penal.

O Brasil tem uma das leis de copyright mais fechadas do mundo, segundo organizações como a Consumers International, e punia o então crime com quatro anos de prisão, enquadrando-o no quesito “violação do direito autoral”. A partir de agora, cópias que não objetivam o lucro estarão liberadas.

O texto aprovado diz que “não há crime quando se tratar de cópia integral de obra intelectual ou fonograma ou videofonograma, em um só exemplar, para uso privado e exclusivo do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto”.

Padrão